Domingo, 09 de Maio de 2021
(63) 9 9271-2341
Bico do Papagaio Bico do Papagaio

PRAIA NORTE: Gisseli Mariano conta como driblou dificuldades no TO até chegar ao Grêmio.

13/01/2021 21h08 Atualizada há 4 meses
1.673
Por: Felipe de Sá
Imagem de Divulgação
Imagem de Divulgação

"Eu sempre coloco na minha cabeça que a dificuldade é para deixar a gente cada vez mais forte". Foi pensando assim que Gisseli Mariano, 18 anos, saiu da pequena Praia Norte, na região norte do Tocantins, para brilhar no futebol nacional. Atualmente Gisseli defende a camisa Grêmio.

O percurso não foi fácil. O avô dela, seu José Mariano havia montado uma escolinha feminina na região e foi aí que Gisseli Mariano viu a chance de começar a escrever sua história no futebol.

" Comecei a jogar pelo time do meu avô, o Show de Bola, era um time feminino que ele tinha aqui em Praia Norte. Aí depois ele me colocou na escolinha masculina Rio Branco. Passei um bom tempo jogando com meninos e até cheguei a participar de outras escolinhas. Depois teve uma seletiva em Imperatriz-MA, fui fazer, era para disputar o Maranhense feminino. Lá fui campeã e ganhamos uma vaga para a Copa do Brasil. Foi então que me mudei de vez para Imperatriz, e fiquei dividida entre o futebol de campo e o futsal. Depois fui jogar os Jogos Escolares em João Pessoal-PB e lá um professor me viu e chamou para fazer parte do time dele, no interior de São Paulo. Fiquei seis meses na equipe, e surgiu a convocação pela primeira vez e depois deixei o time."

Em meio as dificuldades na região e ao preconceito em um local que o futebol feminino é escasso, ela soube driblar tudo isso com categoria, sem perder a bola para o 'adversário'.

" Essas coisas assim, eu sempre procuro ver de incentivo para não desistir e me manter sempre motivada. E eu sempre coloco na minha cabeça que a dificuldade é para deixar a gente cada vez mais forte. Nada é fácil, nada vem fácil, então sempre vai ter dificuldade"

Gisseli Mariano só vai a campo de batom e de preferência vermelho. Questionada sobre, bateu a timidez, e revelou que o batom é parte dela nas partidas.

- Eu só consigo jogar de batom (risos). É uma coisa minha (risos). Acho que não consigo jogar sem passar batom. Na verdade, nem sei como comecei a passar batom para jogar bola – concluiu.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
Ele1 - Criar site de notícias